EUA, Japão e Coreia do Sul discutem questões do Estreito de Taiwan e Coreia do Norte

Estreito de Taiwan

A vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, discutiu a importância da estabilidade no Estreito de Taiwan e da desnuclearização da Coreia do Norte durante uma reunião com chanceleres da Coreia do Sul e do Japão, disse um porta-voz do Departamento de Estado.

Sherman se encontrou com o vice-ministro das Relações Exteriores do Japão, Mori Takeo, e o primeiro vice-ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Choi Jong Kun, na terça-feira, 20, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price.

O Estreito de Taiwan, com 180 km de largura, separa Taiwan da China. O estreito atualmente faz parte do Mar da China Meridional e se conecta ao Mar da China Oriental ao norte. A parte mais estreita tem 130 km de largura.

O vice-ministro das Relações Exteriores do Japão, Takeo Mori, e seu homólogo americano Wendy Sherman enfatizaram na terça-feira a necessidade de manter a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan em face da crescente presença militar da China na área, disse o Ministério das Relações Exteriores do Japão.

Em um comunicado, o ministério disse que os dois lados também criticaram fortemente as tentativas da China de “mudar unilateralmente o status quo” no Mar do Leste da China e no Mar do Sul da China.

Os dois ministros expressaram preocupação com a situação dos direitos humanos em Hong Kong e na Região Autônoma Uigur de Xinjiang, na China.

 Vice-ministro das Relações Exteriores do Japão, Takeo Mori (centro), vice-ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Choi Jong-kun, e vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, durante reunião trilateral em Tóquio | Foto: Reuters



Com relação à Coreia do Norte, Mori e Sherman insistiram que Tóquio e Washington continuarão a cooperar estreitamente com a Coreia do Sul para garantir a “desnuclearização completa” de Pyongyang.

Na quarta-feira, Sherman deve participar de uma reunião trilateral em Tóquio com Mori e o vice-ministro sul-coreano de Relações Exteriores, Choi Jung-kun, com o objetivo de aumentar a cooperação.

A viagem de Sherman ao Leste Asiático visa fortalecer a comunicação com aliados regionais, que haviam se enfraquecido durante o governo anterior de Donald Trump, e enviar uma mensagem de força e unidade à China.

Os EUA também pretendem transmitir à Coreia do Norte que Washington e seus aliados mantiveram a porta aberta para o diálogo.

A visita ocorre em um momento em que a Coreia do Norte está completamente focada em controlar a pandemia Covid-19, que causou enormes danos econômicos ao regime, mesmo quando os laços entre Tóquio e Seul atingiram um novo nível.

Na segunda-feira, Seul anunciou que o presidente Moon Jae-in cancelou seus planos de comparecer à inauguração das Olimpíadas de Tóquio e realizar uma cúpula com o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, citando entendimento “insuficiente” entre os dois lados.

Desde 2018, Tóquio tem protestado repetidamente contra as decisões dos tribunais sul-coreanos ordenando que as empresas japonesas paguem indenizações por forçar os locais ao trabalho escravo durante a colonização da península pelo Japão (1910-1945).

 Vice-ministro das Relações Exteriores do Japão, Takeo Mori (centro), vice-ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Choi Jong-kun, e vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, durante reunião trilateral em Tóquio | Foto: Reuters



Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul também estão enviando uma mensagem clara com a sua política coordenada em relação à Coreia do Norte, afirmou uma autoridade norte-americana nesta quarta-feira, apesar da recente fricção entre os dois aliados asiáticos.

“Essa coordenação próxima envia uma mensagem muito crítica à Coreia do Norte de que estamos juntos e lado a lado em nossa abordagem a esta política”, disse a vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, a repórteres, após uma reunião com os vice-ministros das Relações Exteriores de Japão e Coreia do Sul.

As conversas entre autoridades dos três países foram realizadas em Tóquio, apesar das relações desgastadas entre Japão e Coreia do Sul, em grande parte por recriminações dos dois lados decorrentes do período em que a Coreia foi uma colônia japonesa entre 1910 e 1945.

Um novo capítulo da disputa histórica atingiu o comércio entre os dois países asiáticos e ameaçou minar a cooperação entre eles em questões de segurança diante da ameaça comum da Coreia do Norte e seus programas balístico e nuclear.

O presidente sul-coreano Moon Jae-in recentemente decidiu não visitar o Japão durante a Olimpíada de Tóquio, cuja abertura oficial será na sexta-feira, para o que seria a primeira cúpula com o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga.

O vice-ministro das Relações Exteriores do Japão, Takeo Mori, afirmou que a cooperação trilateral com os Estados Unidos é crucial para a desnuclearização da Coreia do Norte.

A Coreia do Norte tem rechaçado os pedidos de diplomacia dos EUA desde que o presidente Joe Biden substituiu Donald Trump, que teve três cúpulas com o líder norte-coreano Kim Jong Un, aumentando as esperanças de que houvesse algum tipo de avanço.

Pouco progresso foi feito, porque Kim se recusou a abrir mão das suas armas nucleares, mas ele impôs um congelamento na testagem delas.

 

 

 

Fontes: (1) (2) (3) | Foto: Divulgação
Website | + posts

Tenho 27 anos, moro em São Paulo e sou designer gráfico e estudante de ciências sociais. Sou apaixonada por música, livros, séries, viagens e amo comida asiática! Você pode saber mais sobre mim em: https://www.behance.net/daniele-almeida 🙂

Comentários