A Feira do Livro de Hong Kong chega ao fim com um total de 830.000 visitantes

Visitantes da Feira do Livro de Hong Kong no Centro de Convenções e Exposições de Wan Chai. Foto: May Tse

A Feira do Livro de Hong Kong, uma das maiores do mundo, chegou ao fim na terça-feira (20) depois de atrair 830.000 visitantes no total, embora os editoras relatem que as vendas foram mistas.

Por causa das regras de distanciamento social para controlar a propagação da Covid-19 no Centro de Convenções e Exposições em Wan Chai, algumas medidas de segurança precisaram ser tomadas. Assim, o ambiente teve a sua capacidade limitada a apenas 85% do máximo de ocupação.

A participação no evento de uma semana caiu 17% em comparação ao realizado em 2019, quando um milhão de pessoas compareceram. O evento foi cancelado no ano passado devido à gravidade da pandemia do COVID-19.

Famílias e compradores individuais adquiriram livros, lanches e produtos esportivos e de lazer de mais de 760 expositores. Mas o Conselho de Desenvolvimento Comercial organizador disse que cada visitante gastou em média 6,6% a menos desta vez. Assim, desembolsando mais de HK$ 817 (aproximadamente R$548) em comparação com os HK$875 (~R$587) anteriores, com base em uma pesquisa com 800 clientes.

Alguns editores relataram sucessos mistos. A Hillway Culture e a Kind Of Culture disseram que as vendas subiram, apesar de terem sido notificadas pelo conselho de queixas alegando que alguns de seus livros violavam a lei de segurança nacional.

Os três livros em questão se esgotaram, disse o diretor do projeto da Hillway Culture, Sam Cheng, acrescentando que as vendas gerais aumentaram “bastante” em comparação com 2019.

“Continuaremos a imprimir alguns de nossos livros devido à alta demanda”, disse ele.



Feira do Livro de Hong Kong

Os visitantes da Feira do Livro de Hong Kong lendo livro que documenta os protestos de 2019. Foto: Bloomberg

A Kind Of Culture, que estava oferecendo livros escritos por figuras da oposição, incluindo Witness e Under Umbrella, atraiu apoio dos compradores. A equipe estava constantemente reabastecendo os dois títulos antes de o estande fechar, de acordo com Daniel Wong, que era o responsável pela editora.

“As pessoas estão de luto pela perda potencial de livros pró-democracia”, disse ele. “Eles nos apoiaram porque sabiam que este poderia ser o último ano para ver esses livros.”

A editora independente Subculture relatou uma queda de 30 por cento nas vendas. No entanto, o proprietário Jimmy Pang Chi-ming atribuiu o declínio a uma redução no número de clientes, ao invés da ausência de obras políticas em sua linha.

“Muitos de nossos leitores, em sua maioria de classe média, emigraram para outros países, enquanto os leitores da China continental não vieram este ano”, disse ele.

De acordo com Pang, a Subculture geralmente publica dezenas de livros a cada ano, dos quais três à quatro são políticos. Mas a editora “provavelmente não venderá livros políticos no próximo ano porque os autores não estão dispostos a escrever esses livros”.

Feira do Livro de Hong Kong

Editoras ofereceram descontos no último dia da Feira do Livro. Foto: May Tse

O Chung Hwa Book, de Xangai, registrou um aumento de 10% a 20% nas vendas em comparação com 2019. De acordo com o gerente de marketing Yuki Yu Hwan-gung, as medidas de controle de multidão limitaram o número de clientes. Entretanto, a quantidade correspondente de espaço maior encorajou as pessoas para parar e verificar as ofertas.

Sara Ng, diretora de vendas e marketing da The Commercial Press, apoiada pelo continente, relatou uma ligeira queda no número de visitantes, provavelmente por causa do tempo tempestuoso causado por um tufão no Mar da China Meridional. Mas o desempenho geral de vendas da empresa este ano foi melhor do que o de 2019, disse ela, em parte graças às ofertas com desconto no último dia.

“Alguns de nossos livros custam apenas HK$ 10 (~R$7) hoje”, disse ela.

Os descontos funcionaram como um encanto para quem estava em busca de pechinchas. Michael Tang Siu-kuen, 50, queria colocar as mãos em cadernos com desconto para seu filho adolescente, independentemente do tempo inclemente.

“Também quero comprar livros de design de interiores mais baratos para mim”, disse ele, acrescentando que já havia gasto mais de HK$ 1.000 (~R$672)

Ethan Cheung Yik-fung, 31, disse que costumava comprar livros vendidos com descontos implacáveis ​​nos anos anteriores, mas acabou gastando mais de HK$1.000 em mais de 10 romances este ano.

“Também comprei quatro guias de viagem que custaram HK$ 25 (~R$16) cada”, acrescentou.

 



 

Fonte: (1) | Fotos: SMCP

Was this helpful?

Website | + posts

Tenho 27 anos, moro em São Paulo e sou designer gráfico e estudante de ciências sociais. Sou apaixonada por música, livros, séries, viagens e amo comida asiática! Você pode saber mais sobre mim em: https://www.behance.net/daniele-almeida 🙂

Comentários

Siga-nos

Newsletter

Categorias

Facebook

Quizzes

Quizzes

Siga-nos

Newsletter

Categorias

Facebook

Twitter